Em busca de um novo lar

•fevereiro 23, 2009 • Deixe um comentário

Comprar uma nova casa é uma tarefa complicada, principalmente quando um casal vai decidir junto. A procura pela nova casa está diretamente ligada aos sonhos de cada um.

Enquanto um ama o imóvel visitado, o outro detesta por causa da bateria que um vizinho está tocando. Um acha a localização perfeita, o outro acha que o lugar é quente. a garagem é ótima mas o play é fedorendo.

O apartamento é perfeito mas a favela cresceu tanto que o edíficio está praticamente dentro dela. O prédio é lindo mas o síndico….melhor nem comentar.

Comprar um apartamento pronto é muito difícil! Será que na planta seria mais fácil?

Ledo engano. A localização é afastada, o prédio não tem elevador (Como assim!?). O apartamento não é do tamanho desejado. o apartamento é mais caro do que se pode pagar.

E assim se vão vários dias perdidos procurando um novo lar. Até que o cansaço nos vence e pegamos um razoável, num lugar no qual não sonhamos.

Quanta diferença…

•fevereiro 17, 2009 • Deixe um comentário

mcdonalds-logoHoje, conversando com a minha filha, ela me contou o lanche relâmpago que ela fez no Mc Donald’s. Ela e o Menino Sorriso andaram em ritmo de passeio até a lanchonete usual, foi quando o Menino Sorriso teve a brilhante idéia de variar e lanchar no Mc Donalds. Como faltavam apenas 30 minutos para começar a aula de inglês e o Mc Donalds ficava longe a beça do curso. Eles correram tão alucinadamente que a mochila da Linda abriu e o material caiu no chão. Alguns preciosos segundos perdidos catando o maldito material. Mais correria até o Mc  Donalds.

Completamente ofegantes eles fazem os pedidos e é obvio que o Menino Sorriso não podia pedir um sanduíche simples, tinha que ser especial. O sanduíche especial, feito na hora, demorou um pouco. Enquanto Sorriso esperava o lanche a Loira devorava o Big Mac e as batatas. Quando finalmente o sanduiche do Menino Sorriso ficou pronto, eles voltaram prontamente para o curso. Faltavam apenas 10 minutos para o início da aula. O Menino Sorriso foi andando rápido e comendo e a Loira reclamando que ia ter uma indigestão. Conseguiram chegar no curso a tempo, faltando somente dois minutos para a aula começar. Ufa!

Agora vejam só, a mesma Loira com 10 anos a menos no Mc Donalds, com um gigante Mc Lanche Feliz levava DUAS HORAS para comer o sanduíche e METADE batata pequena! Quem diria, quanta diferença!

Pássaros

•fevereiro 13, 2009 • 2 Comentários

kitty-and-little-birdDepois que me mudei os pássaros viraram uma constante na minha vida. Durmo com eles cantando, acordo com eles cantando. Os vejo namorando, voando. Pássaros de todas as espécies: falcões, beija-flor, sabiá. Minha gatinha passa boa parte do tempo sentada na varanda, imagino que namorando os passarinhos, esperando que um fique ao seu alcance.

Bom finalmente o Deus dos Gatos escutou as preces dela e fez com que um mini-passarinho entrasse no apartamento. Escutei um barulho diferente e fui procurar a fonte, morrendo de medo de que fosse um inseto, ou pior uma barata. A gatinha estava toda ouriçada, prestando atenção. Acompanhei o olhar dela e vi o passarinho, era muito pequeno, batia nas paredes e no teto tentando sair da gaiola gigante onde havia se metido. Quando cansou pousou no alto da persiana, a gata não perdeu tempo, pulou na estante e se preparava para o salto mortal.

Não podia permitir que um animalzinho indefeso fosse caçado dentro da minha casa. Corri, agarrei a gata e a tranquei no quarto enquanto pensava em como ajudar o passarinho a sair. Nesse meio tempo o passarinho tentou encontrar uma saída sozinho e voltou a voar. Mais uma vez foi em vão e na hora de voltar ele voou em minha direção e acabou pousando na minha blusa. Levei um baita susto, mas pensei rápido e pus as mão sobre o passarinho para que ele não voltasse a voar. Corri para o terraço e abri as mãos. Ele ficou mais um instante pousado em mim e depois partiu livre.

Agora veja eu que cresci achando que pombos eram os únicos pássaros livres do mundo, agora moro cercada pelos mais diferentes espécimes. Muito legal.

Esquecida em casa

•fevereiro 11, 2009 • Deixe um comentário

macaulay-culkin01Essa semana eu tive minha experiência “esqueceram de mim”, quase não pude acreditar!

Estávamos indo para casa e combinávamos o que iríamos jantar. Minha filha e meu marido sugeriram pizza, mais precisamente rodízio de pizza. Achei a ideia ótima e concordei de imediato. Só avisei que tinha que passar em casa primeiro para resolver um problema do trabalho.

No caminho minha filha implicou com as pizzarias próximas de casa, e queria pedir pizza em casa, mal sabe ela que a pizza vem de uma das pizzarias que ela rejeitou. Eu retruquei logo, se for para pedir pizza em casa é melhor comer comida! Nisso eles mudaram de assunto, minha filha, agora, queria açaí. Chegamos em casa, meu marido levou a pequena para tomar açaí na lanchonete e eu subi para resolver o problema do trabalho.

Resolvi tudo o que tinha para fazer e nem vi o tempo passar. Quando acabei e olhei para o relógio do computador já havia passado duas horas. Fiquei super preocupada! Com CERTEZA algo de ruim havia acontecido. Peguei o celular e liguei correndo.

– Cadê vocês? Estão bem? Aconteceu alguma coisa?

– Calma, está tudo bem. Já estamos subindo.

Barulho de chave na porta.

– Por que demoraram tanto?

– Ah, nós fomos na pizzaria.

E eu estava lá esperando eles morta de fome. Me senti o verdadeiro Macaulay Culkin no filme Esqueceram de Mim. Fazer o quê? Cada um tem a família que merece!

Com ou sem problema?

•fevereiro 10, 2009 • 2 Comentários

problema1Problema é uma coisa praticamente universal que todos temos. O pior é quando resolvemos os nossos problemas e ainda temos que resolver os alheios. E para piorar ainda mais perguntamos: “Qual é o problema?”  e como resposta ouvimos:

Não sei qual o problema. Mas preciso dele resolvido hoje!

Como assim!? Não sabe qual o problema, só sabe que tem. É muita vontade de esquentar a cabeça! Claro que eu, como pessoa persistente que sou, insisto um pouco mais: “Se você não sabe qual o problema, como você sabe que tem?”.

Querida, é claro que tenho um problema, está tudo diferente.

Viram a insistência trouxe resultados, já sei que o problema é uma diferença. Ufa! Continuo: “Mas diferença onde? Você pode me dar um exemplo?”

Eu não sei qual é a diferença! Só sei que está diferente.

Respiro fundo, afinal, como é possível saber que existe uma diferença e não saber o montante dela. Sei lá, eu é que devo estar errada em ser tão detalhista. Se some um centavo da minha conta, eu vou correndo falar com o gerente e explico exatamente qual é o problema. Enfim, eu sei o que quero.

Para aguentar dias assim só respirando muito fundo e fazendo horas de meditação. Por que na minha opinião uma pessoa dessas não tem problemas mas está louca para ter. Como é possível?

Sempre sem lixeira

•fevereiro 7, 2009 • Deixe um comentário

lixeiraÉ incrível como todo dia eu estou sem minha lixeira no trabalho. O pessoal da limpeza passa na madrugada para limpar e simplesmente não põe no lugar. Eu tento entender, afinal são muitas lixeiras sendo esvaziadas, não dá para lembrar a posição de cada uma.
Mas uma vez o pessoal da limpeza exagerou. Eu fiquei trabalhando até de madrugada e quando os caras passaram para limpar eu ainda estava lá. E não é que o cidadão passou na minha mesa pegou a minha lixeira, esvaziou no sacão de lixo que estava carregando e colocou a lixeira em outra mesa. Surreal! será que estou me tornando invisível.

Felpudo

•fevereiro 5, 2009 • 1 Comentário

charadaEu tenho um amigo paulista que possui um sotaque super carregado. Ele só chama biscoito de bolacha, usa o “i” no lugar do “r”, enfim um sotaque carregadíssimo. Já tentei dar aulas de carioquês pra ele, mas fora em vão. Ele sempre resiste. Varias vezes pedi que ele falasse “bixcoito” e ele insiste no “s” e fala “biscoito”. Mas teve um dia que ele exagerou nas gírias paulistas e disse que o almoço estava “felpudo”. Não entendi nada, olhei com cara de interrogação. O que seria felpudo? Será que ele tinha encontrado um pelo na comida?

Ele tentou explicar, disse que felpudo era o mesmo que chapado. Outra cara de interrogação, afinal o que felpudo tem a ver com chapado. Então ele decidiu usar um vocabulário “conhecido” e disse que felpudo e chapado eram “da hora”. Mais interrogação estampada na cara. Dessa vez ele desistiu e falou português, explicou que todas essas palavras serviam para definir algo muito legal. Ahhhh, agora eu entendi.

Depois desse dia eu descobri a minha missão, eu deveria ensiná-lo a falar de um modo que não tentassem matá-lo aqui no Rio. Chapado, aqui no Rio é usado para definir os muito bêbados. Felpudo é para toalhas ou para coisinhas fofas como a dessa imagem.

felpudo